Ferramentas do Site

Desenvolvimento em 3 dimensões (3D)

Disponível em: English, Français, Español

Cidades em crescimento, mobilidade de pessoas e produtos especializados são partes integrantes do desenvolvimento. Esta evolução tem sido particularmente evidente nos países da América do Norte, Europa Ocidental e Nordeste da Ásia. Mas os países do Leste e Sul da Ásia e Leste Europeu estão agora passando por mudanças semelhantes quer em magnitude quer em rapidez. O Relatório sobre o Desenvolvimento Mundial 2009: A Geografia Econômica em Transformação, conclui que essas transformações continuarão a ser essenciais para o sucesso econômico em outras partes do mundo em desenvolvimento e devem ser incentivadas.

Essas transformações trazem prosperidade, mas não ocorrem sem risco e sacrifício.

Observemos três dos lugares mais prósperos do mundo:

  • O primeiro é Tóquio, a maior cidade do mundo, com 35 milhões de habitantes, e onde um quarto da população do Japão reside em menos de 4% do território.
  • O segundo são os Estados Unidos, a maior economia do mundo e talvez aquela onde o movimento de pessoas e mercadorias seja maior, onde cerca de 35 milhões de pessoas mudam de residência todos os anos.
  • O terceiro é a Europa Ocidental, o continente mais interligado do mundo atual, onde os países comercializam cerca de 35% do seu produto nacional bruto (PIB), sendo mais da metade desse comércio entre vizinhos.

spacerDensidade—por que vale a pena estar perto de Tóquio

Quem visita Tóquio pode ver pessoas comprimidas nos trens por “empacotadores de trens” profissionais. Milhões de pessoas se submetem voluntariamente a esse desconforto. O mapa da densidade econômica do Japão mostra por quê. Tóquio produz grande parte da riqueza do Japão — para conseguir uma parcela dessa riqueza, as pessoas precisam morar perto dela. A característica mais impressionante desse mapa é a densidade econômica, isto é, a concentração de riqueza em Tóquio e Osaka.
spacer
Clique no mapa para ampliar

spacerDistância—por que os americanos têm de ser móveis

Nos Estados Unidos, todos os anos nos dias que antecedem o feriado de Ação de Graças, cerca de 35 milhões de pessoas viajam para rever suas famílias e amigos. É o início do inverno em algumas partes do país e, portanto, muitos vôos são cancelados. Mas os americanos aceitam o sofrimento de deixar amigos e parentes, porque a atividade econômica está concentrada em poucas áreas do país. Se quiserem uma parte dessa riqueza, terão de se aproximar dela. É por isso que 8 milhões de americanos trocam de estado todos os anos, migrando para reduzir sua distância das oportunidade econômicas. A característica mais impressionante deste mapa é a distância.
spacer
Clique no mapa para ampliar

spacerDivisão--o que impede o progresso na África não o faz na Europa Ocidental

Do outro lado do Atlântico, na Europa Ocidental, outro movimento de grande escala ocorre todos os dias — não de pessoas, mas de produtos. Um exemplo é a Airbus, que fabrica partes de aviões e os monta na Alemanha, Grã-Bretanha, França e Espanha, bem como em outros países. Enormes partes de aeronaves são carregadas em navios e aviões, pois os lugares se especializam em fabricar diferentes partes e produzi-las em escala. Interessante observar como os países dessa região que até há pouco tempo era bem dividida, hoje comercializam com antigos inimigos e contribuem para uma União Européia (UE) cada vez mais integrada. À medida que essa integração aumenta, as divisões econômicas diminuem, tornando possíveis a especialização e as economias de escala..
spacer
Clique no mapa para ampliar

spacer
Como os mercados vêem o mundo

Qual é a compensação por essa angústia? Um mapa da geografia econômica, que redimensiona a área de um país para refletir seu PIB, mostra os benefícios das cidades grandes, a mobilidade das pessoas e a ligação entre países. Os Estados Unidos, a Europa Ocidental e o Japão dominam a economia mundial.
spacer
Clique no mapa para ampliar

spacer
Cidades, migração e comércio têm sido os catalisadores do progresso do mundo desenvolvido nos dois últimos séculos. Agora, essas histórias repetem-se nas economias em desenvolvimento mais dinâmicas.
  • Mumbai não é a maior cidade do mundo, mas é a mais densamente povoada. E continua a crescer.
  • A China não é a maior economia do mundo, mas é a que cresce mais rapidamente e pode estar entre as de maior mobilidade.
  • O Sudeste da Ásia pode não criar uma união política como a Europa, mas comercializa peças de mercadorias de um lado para outro como faz a UE.
Você sabia que...

spacer
Arrow

Metade da produção do mundo se pode enquadrar em uma área menor do que a Argélia?

spacer
Arrow
A área metropolitana do Cairo gera mais da metade da produção da República Árabe do Egito, utilizando 0,5% da área geográfica do país?
spacer
Arrow
Nos Estados Unidos, 96% das inovações ocorrem em áreas metropolitanas?
spacer
Arrow
200 milhões de migrantes chineses viajam à sua cidade natal para passar o Novo Ano Lunar?
spacer
Arrow
À medida que diminuiu o custo do transporte no último século, os países comercializaram ainda mais com países vizinhos do que com outros mais distantes?
spacer
Arrow
Em 2006, Cingapura, com 700 km2 de área, realizou exportações no montante de US$ 300 bilhões, idêntico ao da Federação Russa com mais de 16 milhões de km2?

As pessoas arriscam-se a morrer ou a perder um membro nos trens abarrotados de Mumbai para se beneficiarem da densidade econômica. Apesar da aglomeração de pessoas que se deslocam entre a casa e o trabalho e em favelas como Dharavi, a população de Mumbai dobrou desde a década de 1970. Desde a década de 1990, milhões de trabalhadores chineses migram para se aproximarem da oportunidade econômica no litoral. Assim como os americanos viajam durante os feriados de Ação de Graças, mais de 200 milhões de chineses viajam no Ano Novo Chinês.

As redes de produção regional do Leste Asiático estão muito mais disseminadas do que as instalações da Airbus na Europa Ocidental. Os países do Leste Asiático não comercializam partes de avião, mas nações que já foram inimigas hoje comercializam peças de automóvel e computadores com a mesma freqüência e rapidez.

Qual é a compensação? Podemos mais uma vez reconhecer os formatos da China, Índia e países do Sudeste Asiático no mapa da geografia econômica mundial e comparar esses formatos com o do poderoso continente africano, que aparece como uma península delgada.

O Relatório sobre o Desenvolvimento Mundial defende que alguns lugares estão crescendo bem porque promoveram transformações nas três dimensões da
geografia econômica::

  • Densidades mais elevadas, como se vê no crescimento de cidades.
  • Distâncias menores, à medida que trabalhadores e empresas se aproximam da densidade.
  • Menos divisões, à medida que os países diminuem suas fronteiras econômicas e entram nos mercados mundiais para aproveitar a escala e a especialização.

Os Estados Unidos e o Japão reestruturaram sua geografia econômica nessas linhas no passado. A China está reestruturando sua geografia econômica agora. Conforme proposto neste Relatório, essas serão as mudanças que ajudarão as nações em desenvolvimento em outras partes do mundo, particularmente na África.




Permanent URL for this page: http://go.worldbank.org/OMLSGL8620


© 2009 Grupo Banco Mundial, Todos os direitos reservados Legal